Indireta a luz penetra o corpo que se derrete junto da saliva em jazz.

View text
  • Há 2 dias

Nós podemos dar as mãos e fingir que não existem fantasmas sob nossas orelhas, você sabe que podemos nos recostar assim ou mesmo que podemos selar a testa e sorrir. O presente hoje é um beijo pois as meias-dúzias de palavras que posso oferecer podem te espantar mas, você sabe, sob estes lábios há um amargor que persiste em deixar um rastro em tudo que toca. As desculpas se acumulam até tornar lema de uma vida vazia baseada em arrependimentos. A verdade é que não me interessa fazer parte dessa brincadeira de compensação em que tudo é tirado e nada dado, esse tipo de jogo aposenta pessoas da vida mais rapidamente que as amarguras que hoje guardo num baú de quatzo e deixo sob teu colchão antes de partir.

View text
  • Há 2 dias

Caminhando de pé enfaixado as ruas correm sobre o rio que nada as árvores gostam mesmo é de olhar o céu de azul não tem nada é amado por acaso tem motivo o choro da criança ninguém sabe se teus olhos sempre foram negros assim que conseguir sonhar é para poucos meus beijos são da terra que parece lama esse teu corpo movediço tal como as palavras voam dos olhos milhares de pássaros pra cantar coloca aquela música da bicicleta azul avistei um cara,

View text
  • Há 4 dias

Fala pr’aquela pessoa n’aquele dia o que cê admira nela. Floresce o que é bonito nela. Deixa florescer em você o que nela te faz viver.

View text
  • Há 4 dias
  • 1

Deixa o sapato na porta de entrada
que é pra entender que nós começamos com o pé no chão
Descansa os olhos que descanso também
que é pra lembrar do presente
Abraça um pouco apertado
que é pra deixar um pouco de você

View text
  • Há 4 dias

Quinta-feira: verbo imperativo

Ávidas palavras se deitaram entre nossos lábios
Suspiros deslizavam em tuas mãos
Nossos cabelos pairavam numa névoa abafada que já não importava mais
Ali, no estreito que ainda insistia em nos separar ecoavam teus olhos dormentes e tua boca rubra de alento ou receio
Entregue à penúria de nos resistir
Agarra afoito a pele que em ti se derrama
mesclando enfim tu em mim

View text
  • Há 6 dias

Salome


Numa noite de espera sem pressa: a Lua acendeu, e as estrelas do céu em forma de chuva deslizaram sobre a cidade exausta. Debruçada sobre a janela, pendi ao vazio. A boca aberta, a língua esticada pescando estrelas. A boca afogada em cadências. Cedem os joelhos, pende o corpo sobre a janela. Os olhos deixam seu olhar cair sobre a cidade e, junto Delas, desliza em cadência.

View text
  • Há 1 mês

Meu estômago é uma bolsa de arte

que digere as palavras e as converte na matéria-prima do mundo

Minha boca é o pincel da vida

que engole e devolve o imprevisível

Meus pés são caminhos de cores

por onde se deitam todos os tipos de amores

Se a vida imita a arte

meu corpo está em toda parte

Se meu corpo é arte

a vida está em toda parte

Pois meus olhos são notas musicais

que floreiam sob os lamaçais

Se meu corpo imita a arte

sinto vida em toda parte

View text
  • #arte #corpodaarte #corpo #poesia
  • Há 2 meses

Ela temia o dia em que se fosse e eu ficasse só

Mas esqueceu que o atemporal jamais se evapora

E que a vida humana, essa sim, é passível de ser levada embora

View text
  • Há 2 meses

A face fria é como o passar dos dias visto na perspectiva de alguém que lê sobre mil anos num livro de história qualquer.

View text
  • Há 2 meses
x